Com a Reforma da Previdência e as mudanças realizadas no Direito Previdenciário em 2020, pode ser fácil não saber qual é o valor que você deve contribuir a partir desse ano. Para isso, é importante checar a tabela do INSS do ano.

O INSS é um imposto aplicado sobre o salário de trabalhadores brasileiros inscritos na Previdência Social. A receita gerada pelo imposto financia o pagamento da aposentadoria desses mesmos trabalhadores. É importantíssimo que todos os trabalhadores saibam exatamente quanto devem contribuir.

Por isso, nesse artigo, vou esclarecer todas as dúvidas em relação ao cálculo da contribuição ao INSS e mostrar exemplos de como calcular!

Por isso, leia tudo atentamente!

pessoas apontando para a tela de um notebook

A Tabela do INSS em 2021

Os benefícios do INSS em 2021 foram atualizados conforme a virada do ano e a Reforma da Previdência que entrou em vigor em 2020. A novidade que a reforma trouxe para o direito previdenciário é o cálculo progressivo da alíquota de contribuição do INSS.

Se antes de 2020, a alíquota do INSS era única e variava entre 8% e 11%, com o novo marco legal o cálculo da contribuição aumenta conforme a faixa salarial do contribuinte.

Anteriormente, a tabela possuía apenas três faixas. Com a Reforma da Previdência, a tabela do INSS passou a ter quatro faixas salariais.

Lembre-se que a contribuição tem um teto e um piso salarial. Em 2021, o teto da contribuição do INSS é R$ 6.433,57. O piso, no caso, é o salário mínimo de 2021. Ou seja, R$ 1.100,00.

Enfim, em 2021, a tabela do INSS em vigor é como está abaixo:

Salário de contribuiçãoAlíquota
até R$ 1.100,007,50%
R$ 1.100,01 até R$ 2.203,489,00%
R$ 2.203,49 até R$ 3.305,2212,00%
R$ 3.305,23 até R$ 6.433,5714,00%
Tabela do INSS com a alíquota de cada faixa salarial

Note que a alíquota não é fixa, mas aumenta conforme o salário do contribuinte aumenta. Isso significa que quem recebe menos tem uma carga menor, que é compensada com a contribuição dos trabalhadores com remuneração mais alta.

trabalhor de marcearia checando um equipamento em suas mãos

Fazendo o Cálculo de acordo com a Tabela do INSS

É muito importante que todos os contribuintes do INSS estejam a par da tabela vigente em cada ano. Isso é fundamental para entender se a contribuição está correta e tudo está regular.

A tabela em si é muito ilustrativa. Mas ela não ensina como fazer o cálculo da sua contribuição do INSS.

Abaixo, vou dar alguns exemplos de cálculo da contribuição do INSS em cada faixa salarial. Assim, você vai aprender a verificar sua própria contribuição à Previdência.

Vamos lá:

Exemplo 1 – Salário mínimo (R$ 1.100,00)

Se você recebe uma quantia igual ao salário mínimo, a sua alíquota é a menor de todas, 7,5%. Como a tabela mostra, mesmo um salário ligeiramente acima do salário mínimo deve ao INSS uma alíquota maior (9%). Se esse for o seu caso, veja o exemplo abaixo.

Para conhecer o valor da sua contribuição ao INSS, multiplique seu salário pela alíquota.

Uma alíquota de 7,5% significa 7,5 divididos 100, o que é igual a 0,075.

Então:

R$ 1.100,00 x 0,075 = R$ 82,50

Portanto, a contribuição ao INSS para quem recebe o salário mínimo é R$ 82,50. Descontado, fica R$ 1.017,50.

Exemplo 2 – Salário de R$ 2.000,00

Segundo a tabela do INSS, se você possui um salário de R$ 2.000,00, sua alíquota é 9%. Ou seja, deve multiplicar seu salário por 0,09. Então:

R$ 2.000,00 x 0,09 = R$ 180,00

Enfim, ganhando dois mil reais por mês, sua contribuição é R$180,00. Subtraindo a taxa, o valor final do salário fica R$ 1.820,00.

Exemplo 3 – Salário de R$ 2.500,00

Trabalhadores que recebem R$ 2.500 mensalmente, devem contribuir o correspondente a 12% do salário. Então, deve-se multiplicar o salário total por 0,12.

R$ 2.500,00 x 0,12 = R$ 300,00

A contribuição, nesse caso, é R$ 300,00. Subtraindo, o salário final fica R$ 2.200,00.

Exemplo 4 – Salário de R$ 4.000,00

Na faixa salarial mais alta antes do teto, a contribuição deve corresponder a 14% do salário. Portanto, deve-se multiplicar o salário por 0,14. Logo:

R$ 4.000,00 x 0,14 = R$ 560,00

No fim, a contribuição é R$ 560,00 e, quando descontado do salário total, dá um resultado de R$ 3.440,00.

Com esses exemplos, fica muito claro o efeito que o cálculo progressivo da contribuição ao INSS tem na taxa aplicada. Trabalhadores com salários maiores pagam uma quantia proporcional maior, enquanto quem recebe o salário mínimo contribui menos de R$ 100,00.

O objetivo dessa nova regra foi tornar a arrecadação do INSS mais justa, ou seja, mais condizente com a realidade dos trabalhadores brasileiros.

Tenho duas fontes de renda: como devo calcular minha contribuição ao INSS?

Se você tiver dois empregos, ou for CLT em uma empresa, mas também possuir a sua própria, você deve levar em conta sua renda total.

Ou seja, você deve somar os seus dois salários (ou seu salário e o seu pró-labore) e aplicar a alíquota correspondente à soma.

Vou dar um exemplo: imagine que você ganhe um salário mínimo em um emprego e no outro, ganhe R$2.200 reais. No caso, o seu cálculo ficará assim:

R$ 1.100,00 + R$ 2.200,00 = R$ 3.300,00

A alíquota de R$ 3.300 é 12%, então:

R$ 3.300 x 0,12 = R$ 396,00

A contribuição, nesse caso, é R$ 396,00. Descontado, fica R$ 2.904,00.

Quer contribuir para o INSS? Veja quem deve contribuir à Previdência Social

Dependendo da sua modalidade de trabalho, você pode ser sua obrigação contribuir com o INSS. Se você tem carteira assinada, é seu dever pagar a alíquota do INSS na proporção do seu salário.

No caso de trabalhadores empregados, é a sua empresa que se responsabiliza pelo recolhimento do imposto, que é descontado do seu salário.

As demais atividades remuneradas, como o livre empreendimento e o trabalho autônomo (como o MEI), também tornam obrigatória a contribuição ao INSS. No caso, é preciso apenas observar o teto de contribuição.

Se você não exerce atividade remunerada, mas quer optar pelos benefícios, pode contribuir. A contribuição, nesse caso, é dita facultativa. Além disso, você pode escolher qual é a alíquota que quer pagar.

Se você for Microempreendedor Individual (o MEI), a alíquota do INSS já está incluída no seu guia de recolhimento do DAS-MEI (pagas mensalmente). A alíquota para MEIs é de 5% o valor do salário mínimo e é fixa, independente do rendimento mensal do microempreendedor individual.

Lembre-se que não pagar o INSS é considerado crime de sonegação fiscal.

Você conseguiu calcular o benefício da sua aposentadoria? Se tiver qualquer dúvida, deixe seu comentário abaixo e vamos ficar felizes em respondê-lo!